Subscribe:

Um ano sem Mano Silva

on quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Há exatamente um ano morria um dos idealizadores de um projeto que conciliava arte à vida, tirando crianças das ruas e provando que a arte circense pode salvar a infância dos mares que ócio oferece. Manoel Alves Silva, ou simplesmente Mano Silva, teve um papel essencial na concretização do Projeto Escola Circo.

O Projeto se concretizou durante oito anos, tendo início em agosto de 1997 e chegando ao fim em dezembro de 2005. “Mano Silva conseguiu resgatar valores sobre a vida e dignidade de cada um. Seu objetivo era restabelecer laços familiares com seus alunos para que eles retornassem aos estudos abandonando de vez as ruas”, conta Márcia Silva, filha de Mano.

Ela ainda afirma que através das aulas de circo, Mano Silva organizava o Espetáculo Circense mostrando as Artes dos Acrobatas, malabarismo, equilibrista, contorcionista e perna-de-pau pelos seus alunos. Ele fazia de tudo um pouco, mas não sem antes passar pela Coordenação da Funpapa, que autorizava, administrava e gerenciava o processo.

Mano Silva trilhou um caminho árduo até a realização de seu sonho com a Escola Circo. Filho adotivo de uma família rígida e ilustre, ele tentou fugir várias vezes em busca do seu sonho circense, que não estava nos planos dos pais. E foi numa dessas fugas que ele conheceu e se juntou a um saltimbanco que durante a manhã construía imagens de santos com gesso e à noite animava a praça com espetáculos circenses.

Depois de se apresentar como trapezista em pequenos circos no nordeste, eles acabaram parando em terras paraenses, onde, nos anos 50, Mano Silva começou a montar pequenos circos na periferia de Belém.

O sonho, porém, pareceu ruir quando a TV chegou e começou a tirar o público das ruas, encantados pela nova tecnologia eles pareciam esquecer a magia e arte do circo. Sem desistir, Mano começou a trabalhar com pernas de pau, fazendo publicidade de lojas nas ruas do comércio, ele até mesmo chegou a participar do show de calouros da extinta TV Marajoara.

Foi nesse momento, quando as esperanças pareciam dar sinais de fraqueza, que ele se juntou com Rui Rayol, Benezilma Marques e Arnóbio Ribeiro para dar início ao projeto que mais tarde virou a Escola Circo Mano Silva.

“Com o Projeto os meninos se dedicaram às atividades artísticas tendo como base, em sua formação, princípios universais de cidadania, convivência e preparação para o trabalho levando consigo tudo que aprendeu. Porque a ‘Arte que nos ensina a Viver’” ressalta Cleiber Juliano, filho de Mano Silva e ex-aluno da Escola.

Escola Circo Mano Silva: a arte que ensinou a viver

Imagine uma escola diferente, onde você aprende a arte da vida através de malabarismos, onde a sua nota é baseada no sorriso que você provoca no outro. Essa escola existe, mas as ferramentas principais dos alunos não são papel e caneta e o espaço não é composto de quadro e giz e sim de pernas de pau e camas elásticas. É a Escola Circo Mano Silva, um projeto nascido em 1997, que trouxe esperança para muitos jovens, como conta o ex-aluno, Cleiber Juliano, “O circo traz muitas alegrias para as crianças e adultos, ajuda as que são carentes a aprender a arte e ter dignidade de serem incluídas no projeto social”.

A Escola Circo foi idealizada por Manoel Alves Silva, o Mano Silva, que deu nome à escola. Ela percorreu vários pontos da cidade até se instalar, por fim, na Praça Dalcídio Jurandir, localizada no bairro da Cremação, onde integrou cerca de 500 crianças, resgatadas da situação de risco pessoal e social na qual viviam. A escola tinha apoio da Unicef e da Escola Nacional de Circo através do projeto Criança Esperança.

A Fundação Papa João XXIII era quem coordenava o projeto e encaminhava as crianças à Escola, onde elas aprendiam a arte do circo como forma de se desvencilhar dos perigos que o ócio e a rua oferecem. Os adereços usados nos espetáculos eram feitos por elas mesmas, com a ajuda de familiares e orientações dos voluntários do circo, elas também aprendiam a fazer a própria maquiagem.

Josiel Monteiro, da quarta geração de Circo, que também trabalhou ao lado de Mano Silva e acompanhou de perto a realização do projeto, afirma que além de lazer, as crianças viam na Escola Circo uma oportunidade de sair das ruas e voltar a ter esperança na vida, “As crianças treinam com seriedade, aprendem com facilidade e rapidez. Encantadas, elas dizem que as ruas são coisas do passado. O circo para elas é a chance de ter liberdade segura com esperança de um futuro melhor conhecendo o mundo através da arte”.

O projeto exigia que seus alunos estudassem em escola formal e tivessem entre sete e dezoito anos. Na Escola Circo eles recebiam alimentação, vale-transporte e acompanhamento de assistentes sociais, psicólogos, pedagogos, instrutores de circo, dança e teatro e técnicas de esporte, lazer e ainda assistiam à palestras mensais cujos temas abordavam questões importantes para o bom desenvolvimento de um jovem.

Com a posse do novo Governo, a Escola-Circo foi desativada, mas há quem não meça esforços para que o projeto volte a atuar. Márcia Silva, filha de Mano, já se reuniu com a antiga equipe do circo e todos estão dispostos a trazer o projeto de volta, “Já enviamos o projeto à Funarte e agora estamos aguardando resposta, caso seja reprovado, não vamos desistir, a ideia é criar uma ONG”, conta ela.

Enquanto isso, muitos estão na torcida pra que a Escola-Circo não caia no esquecimento. Segundo Marcos Antônio Senna, o Mágico Chamon, que trabalhou com Silva, a Escola foi de fundamental importância para as crianças que nela estudaram e por isso é um projeto que não deve ficar parado, “Acredito que tem que voltar sim, para dar dignidade as nossas crianças e amenizar esses índices tão grandes de pequenos infratores que vem deixando a sociedade apreensiva, destruindo lares com a facilidade das drogas e outros tipos de vício em geral”, disse o mágico.

Lívea Colares - Estagiária de Comunicação - RRN MINC

4 comentários:

malu disse...

Obrigada meu Deus de ter me dado um pai maravilhoso, responsável e leal com seu próximo, Mano Silva nos ensinou que acima de tudo a palvra tem que ser cumprida em tudo que vc faz! Eu te amo, te amo e te amo ETERNAMENTE SAUDADES, UM ANO SEM A ALEGRIA QUE RONDAVA MEU LAR. ADEUS SILVA.

Márcia Silva Márcinha disse...

O RISO DA ALEGRIA ESTÁ EM PLENA HARMONIA COM A NOSSA VIDA MAIS PROFUNDA.TANTO A VIDA QUANTO UMA HISTÓRIA NÃO IMPORTA O QUANTO LONGAS ELAS SÃO, MAS SIM O QUANTO BOAS ELAS FORAM.

elisthifanny dias disse...

PENA QUE O TEMPO NAO VOLTA !
MAIS SE VOLTASE EU GOSTARIA QUE MEU ETERNO MANO SILVA FOÇE MEU MESTRE DE PENA DE PAU DE NOVO.
SAUDADES QUE TENHO DA QUELE TEMPO O SAUDADES .

MEU ETERNO MANO SILVA SEMPRE NA MENTE SEMPRE NO MEU CORAÇAO.

elisthifanny dias disse...

PENA QUE O TEMPO NAO VOLTA !
MAIS SE VOLTASE EU GOSTARIA QUE MEU ETERNO MANO SILVA FOÇE MEU MESTRE DE PENA DE PAU DE NOVO.
SAUDADES QUE TENHO DA QUELE TEMPO O SAUDADES .

MEU ETERNO MANO SILVA SEMPRE NA MENTE SEMPRE NO MEU CORAÇAO.

Postar um comentário

Faça seu comentário: